Casa Bucco - Destilados Artesanais Desde 1925

A Casa Bucco tem como centro de atividades um alambique de cobre para elaboração de destilados finos artesanais, sendo o seu principal produto, a cachaça envelhecida por um longo período em barris de carvalho e tonéis de bálsamo.

Nosso Canavial

As cachaças da Casa Bucco são elaboradas a partir de cana de açúcar cultivada no Vale do Rio das Antas, na propriedade da empresa e também de cana adquirida de vizinhos, num trabalho integrado com a comunidade local.

O micro-clima do Vale do Rio das Antas (terroir), se caracteriza pelo cultivo em área de montanha, com característica de solo pedregoso de origem basáltica vulcânica, de boa fertilidade, com clima quente no verão e boa intensidade de chuvas, excelente para o cultivo da cana-de-cana de açúcar.s

No inverno, o rio produz espessa neblina, o qual impede a formação de geadas, típicos no inverno da serra gaúcha. Desta forma encontramos cultivos de clima tropical, tais como, bananeiras, mamoeiros e a cana-de-açúcar.

O cultivo da cana-de-açúcar, na Casa Bucco é de forma orgânica, sem a adição de fertilizantes químicos, pesticidas ou herbicidas. O manejo do canavial é feito com capina manual. A colheita se dá manualmente, sem queima das folhas, seguindo para a moagem que sempre é feita no mesmo dia do corte.

Um dos diferenciais relevantes da cana-de-açúcar cultivada no Vale do Rio das Antas, é o cultivo de montanha, que por se a cana-de-açúcar altamente higroscópica, as águas das chuvas escorrem com rapidez, e desta forma mantém uma elevada concentração de açúcar.

Outro importante fator favorável à qualidade é devido ao frio no inverno, que provoca a parada de crescimento vegetativo da planta, favorecendo a maturação completa da cana-de-açúcar, obtendo-se assim um teor de açúcar mais elevado.

Aos fatores climáticos diferenciados e, ao manejo adequado e artesanal da cana-de-açúcar, são responsáveis pela notável qualidade das cachaças da Casa Bucco.

Não visitar a Casa Bucco quando for ao Vale das Antas tornará seu passeio incompleto.
foto canavial selo de qualidade

Livro de receitas

Espaço Cultural

História da Cachaça

Antigamente, no Brasil, para se ter melado os escravos colocavam o caldo da cana-de-açúcar em um tacho e levavam ao fogo.

Não podiam parar de mexer até que uma consistência cremosa surgisse. Um dia, cansados de tanto mexer e com serviços ainda por terminar, os escravos simplesmente pararam e o melado desandou!

O que fazer agora?

A saída que encontraram foi guardar o melado longe das vistas do feitor. No dia seguinte, encontraram o melado azedo (fermentado). Não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram os dois ao fogo.

Resultado: o "azedo" do melado antigo era álcool que aos poucos foi evaporando e se formou no teto do engenho umas goteiras que pingavam constantemente, era a cachaça já formada que pingava (por isso o nome PINGA), e quando batiam nas suas costas marcadas com as chibatadas ardia muito, por isso o nome "AGUARDENTE".

Caindo em seus rostos e escorrendo até a boca os escravos viram que a tal goteira dava um pra ficar alegre, e passaram a repetir o processo constantemente. Hoje, como todos sabem, a pinga é símbolo nacional!!!

Eitá escravos competentes!

História contada no Museu do Homem do Nordeste.

Curiosidades


Análise Sensorial

Sempre que iremos consumir qualquer bebida, é necessário fazer uma ligeira análise sensorial, para que possamos desfrutar de todo o prazer proporcionado por ela, sem culpa.

Para avaliarmos a qualidade alcoólica de um destilado, basta faze-lo via olfativa, sem a necessidade de colocar a bebida na boca, prática necessária para os vinhos, por exemplo. Desta forma, todos podem fazê-lo, inclusive os abstêmios.

Para a análise sensorial, utilizamos todos os sentidos.

Visão:

Toda bebida alcoólica destilada não deve ter nem um corpo estranho em seu interior. Qualquer fosqueamento ou sólido em suspensão é defeito e deve ser restringido o consumo, exceto os licores cremosos, que se caracterizam desta forma.

Todo destilado , quando da sida do alambique é transparente, límpido. A tonalidade dourada é obtida através da armazenagem ou envelhecimento em recipientes de madeira. Quando a bebida tiver coloração intensa e às vezes um pouco avermelhada, pode ter sido colorida com caramelo. O envelhecimento se caracteriza pela formação do "bouchet" e quando colorido com caramelo não ocorre.

Observamos a formação de lacrimas na taça, estas indicam melhor qualidade, resultante de uma fermentação controlada.

Olfato:

Observamos três grandes grupos de aromas.

Primeiramente, verificamos a presença de componentes alcoólicos problemáticos, tais como metanol e os acetaldeidos, que se caracterizam por agredir a mucosa nasal. A bebida deixa a sensação de calor. Quando provoca ardência, nossa sugestão é tomar menos.

Outro grupo de aromas que devemos atentar são os aromas resinosos, rançoso, lembram o cheiro de água suja, o qual relaciona com o cheiro do álcool industrial. Estes componentes alcoólicos que produzem este cheiro são pesados, tais como óleo fusel, álcool isso amílico, ésteres e aldeídos pesados, que são de difícil digestão e contribuem com a ressaca. Sujerimos, neste caso, tomar menos.

Não havendo os defeitos supra citado, iremos apreciar os aromas da cana de açúcar e o bouchet formado pelo envelhecimento, o qual lembra mel, amêndoa, baunilha, chocolate, tabaco, que são complementados com os aromas característicos das madeiras utilizadas no envelhecimento. Seu prazer estará garantido.

Paladar:

Na boca, os aromas serão identificados via retro nasal, com características idênticas ao olfato.

Identificamos se o doce na ponta da língua, mais atrás e ao centro a salgado, o ácido nas bordas da língua, inclusive um aumento na salivação e o amargo ao fundo.

O retro gosto precisa ser agradável e duradouro, pelo menos 10 segundos, quando se trata de bebidas encorpadas de qualidade.

Ao consumir, a cachaça de qualidade deixa uma sensação de calor, nunca de queimação, exceto se o consumidor esteja com problemas digestivos.

Observando estes fatores, você saberá quando poderás relaxar e tomar aquela dose adicional. Na dúvida, tomar menos.

Nos casos de coquetéis e caipirinhas, com bebidas de qualidade, nunca ressalta odor alcoólico. Quando percebemos facilmente o cheiro do álcool, é porque a bebida não tem boa qualidade alcoólica e facilmente provocará ressaca.

Benefícios

Para os apreciadores de boas bebidas internacionais, encontram nos produtos Casa Bucco verdadeiro prazer e, a satisfação de desfrutar de reais momentos de descontração, sem culpa. Para os nossos clientes e distribuidores, a certeza da realização de bons negócios.

Perguntas Freqüentes

FERMENTADOS OU DESTILADOS, podemos misturar???

Toda bebida alcoólica é primeiro fermentado, (vinho, cerveja, etc...), para depois ser destilado.

Os componentes que formam o álcool da bebida são os mesmos e, se comportam da mesma forma no processo digestivo.

Portanto, não há problemas em misturar fermentado com destilados. Devemos sim, atentar aos excessos.

CACHAÇA, CACHAÇA DE ALAMBIQUE, OU AGUARDENTE?

Cachaça: Pela legislação, cachaça é o destilado do mosto da cana de açúcar fermentado, com teor alcoólico entre 38 % Alc. Vol. e 48 % Alc. Vol.

Podemos obter a cachaça de duas formas:

- Pela destilação contínua, onde em uma coluna de destilação adiciona-se caldo de cana fermentado, calor (vapor), e obtén-se o destilado, também conhecido como ?cachaça comercial?

Este sistema é de alta produtividade, baixo custo, porém pouco seletivo.

É também conhecida por aguardente, produzida em vários países do mundo.

- Pela destilação descontinua, em alambiques de cobre ou aço, destila-se o caldo da cana fermentada, em bateladas, separando-se os componentes indesejáveis do destilado, (? Cachaça de Alambique?), em três partes distintas, cabeça, coração e cauda.

Nos primeiros 10%, o qual chamamos de cabeça, separamos os componentes mais leves e também mais tóxicos, exemplo ?metanol?

O coração é a parcela central da destilação, 80% aproximadamente.

Pode ser consumido jovem, armazenada em tonéis de madeira, ou envelhecida em barris de madeira, com volume máximo de 700 litros.

A terceira parte da destilação é a cauda, 10% finais.

Nas caudas se concentram componentes pesados, de difícil digestão, e provocam danos ao consumidor, que somados ao metanol e aos acetaldeidos, provocam a ?resaca?, quando do consumo exagerado.

Neste sistema, cachaça de alambique, a destilação artesanal, é mais precisa e de melhor qualidade.

A desvantagem se dá pela baixa produtividade e custo elevado de produção.

A melhor qualidade compensa o incremento de custo.

QUAL A TEMPERATURA DE SERVIÇO?

Recomenda-se temperatura ambiente, de 13° a 18°C.

Quando muito fria, os aromas "Bouchet" da cachaça não é bem percebido no olfato e também nas papilas gustativas, portanto, há prejuízos.

Em temperaturas mais elevadas, favorece a percepção dos aromas, porém libera muito álcool, tornando-se agressiva.

Por outro lado, não bebemos para se embriagar, nem para se alimentar. O fizemos por puro prazer, portanto beba com moderação, mas da forma que te der mais prazer.

ENVELHECIMENTO OU ARMAZENAGEM?

Há certa confusão no entendimento entre envelhecimento e armazenagem.

Colocar uma bebida destilada na madeira por um período, é armazenar em tonéis ou barris de madeira.

Envelhecimento são as reações químicas que ocorrem, onde os ésteres da bebida, mais os taninos da madeira e o oxigênio captado pela respiração do barril de madeira, resultando na formação do "Bouchet", tornando a cachaça complexa, fina e mais suave.

Para que estas reações ocorram, de forma satisfatória, é necessário haver uma adequada relação entre o volume do recipiente e a área de contato com a madeira. Os estudiosos no assunto asseguram que o melhor índice de envelhecimento ocorre no barril de 200 litros de capacidade.

A madeira é responsável por transferir a cor dourada à cachaça.

Tonéis de madeira maiores de 700 litros não são considerados recipientes de envelhecimento, mas sim, de armazenagem.

DESTILADA OU BIDESTILADA?

A cachaça é uma bebida considerada leve, e pode ser consumida, branquinha, logo após a destilação, e quando armazenada em madeira, "amarelinha".

Voltar ao topo
Casa Bucco Ltda.
Rodovia RSC 470 - km 194,3 - Distrito de Tuiuty
Vale do Rio das Antas - Bento Gonçalves - RS
CEP 95 710-000

Contato rápido
0055 54 9112 1517
0055 54 9129 1586
e-mail: casabucco@casabucco.com.br
site: www.casabucco.com.br

Info Webdesign